EPAGRI/CIRAM
EPAGRI CIRAM
Inverno
Início:21/06 Fim:22/09
inverno2.png

Previsão Climática - 3 meses

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PARA SANTA CATARINA

Junho, Julho e Agosto de 2018

Inverno dentro da normalidade na maior parte de SC

Precipitação:

Para os meses de junho, julho e agosto a previsão é de chuva na média e abaixo, sendo que valores abaixo da média histórica são esperados especialmente para os meses de junho e julho.

Ressalta-se que eventos de chuva intensa, em curto espaço de tempo, podem ocorrer em qualquer época do ano. Por isso, a Epagri/Ciram recomenda o acompanhamento diário dos boletins e informações disponibilizados no site.

Climatologia (o que se espera para época do ano):

    

Os meses de junho e julho são bem parecidos em relação à média climatológica de chuva, variando de 70 a 140 mm do Planalto ao Litoral e, de 110 a 170 mm no Oeste e Meio Oeste, sendo o mês de junho um pouco menos chuvoso em relação a julho. Em agosto a média de chuva sobe um pouco em relação a julho, variando de 110 a 190 mm no Oeste, Meio Oeste e Planalto e de 110 a 150 mm Vale do Itajaí e Litoral.

A chuva é preferencialmente causada pela influência de frentes frias, sistemas de baixa pressão e vórtices ciclônicos. Também é a época de atuação frequente dos ciclones extratropicais próximos ao Litoral, que oferecem perigo às embarcações, com ventos fortes e mar agitado, que muitas vezes resultam em ressaca.

Temperatura:

No trimestre a previsão é de temperatura próxima da média do Oeste ao Planalto e acima da média climatológica no Litoral e Vale do Itajaí. Ressalta-se que são esperadas pelo menos duas a três ondas de frio durante o inverno, com formação de geada ampla e temperaturas negativas, sobretudo nos meses de junho e julho. As condições poderão ser favoráveis a episódios de neve principalmente no Planalto Sul.

No inverno de 2018 há maior probabilidade de ocorrência de dias com grande amplitude térmica diária (diferença de temperatura mínima e máxima) devido à atuação de massas de ar seco. Nevoeiros associados à nebulosidade baixa, com redução de visibilidade, também são esperados para as noites, madrugadas e amanhecer dessa estação.

Temperatura da Superfície do Mar (TSM):

No mês de abril as águas no Pacífico equatorial apresentaram valores de anomalia de TSM em torno de -0,5°C (Figura 1), associada a La Niña muito fraca. O vento, em baixos níveis da atmosfera (ventos Alísios), permaneceu fraco, mantendo o enfraquecimento do fenômeno. No período de 13 a 19/05 foram registrados valores de anomalia próximos de -1,0°C a -0,5°C na região do El Ninho 1 + 2, próximo da costa do Peru (Figura 2), e valores próximos a da média ao longo do Pacífico equatorial. Os modelos numéricos de previsão indicam neutralidade durante o próximo trimestre.

anomalia
Figura 1 -
Anomalia da TSM nos oceanos Atlântico e Pacifico, em abril de 2018.

spm

     Figura 2 - Anomalia da TSM nos dias 13 a 19 de maio de 2018.

Elaboração do boletim: Gilsânia Cruz / Marilene de Lima (Meteorologistas)

Previsão do Fórum Climático: EPAGRI/CIRAM, IFSC, AGF e RIC TV.

REVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PARA SANTA CATARINA

Junho, Julho e Agosto de 2018

Inverno dentro da normalidade na maior parte de SC

Precipitação:

Para os meses de junho, julho e agosto a previsão é de chuva na média e abaixo, sendo que valores abaixo da média histórica são esperados especialmente para os meses de junho e julho.

Ressalta-se que eventos de chuva intensa, em curto espaço de tempo, podem ocorrer em qualquer época do ano. Por isso, a Epagri/Ciram recomenda o acompanhamento diário dos boletins e informações disponibilizados no site.

Climatologia (o que se espera para época do ano):

        

Os meses de junho e julho são bem parecidos em relação à média climatológica de chuva, variando de 70 a 140 mm do Planalto ao Litoral e, de 110 a 170 mm no Oeste e Meio Oeste, sendo o mês de junho um pouco menos chuvoso em relação a julho. Em agosto a média de chuva sobe um pouco em relação a julho, variando de 110 a 190 mm no Oeste, Meio Oeste e Planalto e de 110 a 150 mm Vale do Itajaí e Litoral.

A chuva é preferencialmente causada pela influência de frentes frias, sistemas de baixa pressão e vórtices ciclônicos. Também é a época de atuação frequente dos ciclones extratropicais próximos ao Litoral, que oferecem perigo às embarcações, com ventos fortes e mar agitado, que muitas vezes resultam em ressaca.

Temperatura:

No trimestre a previsão é de temperatura próxima da média do Oeste ao Planalto e acima da média climatológica no Litoral e Vale do Itajaí. Ressalta-se que são esperadas pelo menos duas a três ondas de frio durante o inverno, com formação de geada ampla e temperaturas negativas, sobretudo nos meses de junho e julho. As condições poderão ser favoráveis a episódios de neve principalmente no Planalto Sul.

No inverno de 2018 há maior probabilidade de ocorrência de dias com grande amplitude térmica diária (diferença de temperatura mínima e máxima) devido à atuação de massas de ar seco. Nevoeiros associados à nebulosidade baixa, com redução de visibilidade, também são esperados para as noites, madrugadas e amanhecer dessa estação.

Temperatura da Superfície do Mar (TSM):

No mês de abril as águas no Pacífico equatorial apresentaram valores de anomalia de TSM em torno de -0,5°C (Figura 1), associada a La Niña muito fraca. O vento, em baixos níveis da atmosfera (ventos Alísios), permaneceu fraco, mantendo o enfraquecimento do fenômeno. No período de 13 a 19/05 foram registrados valores de anomalia próximos de -1,0°C a -0,5°C na região do El Ninho 1 + 2, próximo da costa do Peru (Figura 2), e valores próximos a da média ao longo do Pacífico equatorial. Os modelos numéricos de previsão indicam neutralidade durante o próximo trimestre.

 

Figura 1 - Anomalia da TSM nos oceanos Atlântico e Pacifico, em abril de 2018.

     Figura 2 - Anomalia da TSM nos dias 13 a 19 de maio de 2018.

Elaboração do boletim: Gilsânia Cruz / Marilene de Lima (Meteorologistas)

Previsão do Fórum Climático: EPAGRI/CIRAM, IFSC, AGF e RIC TV.